Essa charmosa e histórica estrada, musa inspiradora de Roberto e Erasmo Carlos, cenário de filmes, referência para os nostálgicos e caminho da independência, por pouco não fechou pra sempre. O que seria uma pena pra quem ainda não teve a oportunidade de pisar em suas pedras.

No início de junho, a Baixada foi surpreendida com a notícia de que a Estrada Velha de Santos voltaria a ser fechada para visitação pública, um ano e meio após a reabertura. Mas, após a repercussão do anúncio da empresa gestora do local, o Governo do Estado teve o bom senso de reassumir, temporariamente, o gerenciamento do Caminho do Mar para, no futuro, passar à iniciativa privada.

Aliás, essa mania de passar responsabilidades para a iniciativa privada é uma demonstração de que o poder público ainda não aprendeu a garantir a preservação de nosso patrimônio histórico e cultural.

Pra quem não sabe, o local abriga a Calçada do Lorena, construída em 1792 e que foi a primeira estrada pavimentada (com pedras) do Estado de São Paulo.  Mais uma curiosidade: foi por ela que, Dom Pedro I subiu de Santos para São Paulo no dia em que proclamou a Independência do Brasil, em 1822. Já pensou…se o mensageiro que iria encontrar o príncipe regente tivesse sido um pouco mais rápido o brado retumbante não teria sido ouvido às margens plácidas do Ipiranga e sim nas pedras do Lorena, em plena Serra do Mar!

Com o tempo o caminho foi perdendo sua função original para a Estrada da Maioridade, de 1844; e a Estrada do Vergueiro, de 1862, que deu origem a Estrada Velha de Santos, a primeira rodovia da América Latina pavimentada em concreto, na década de 1920. Quase trinta anos depois, com a construção da Via Anchieta, a estrada passou a ser uma via secundária de acesso à Baixada Santista.

blog 1Um pedaço da antiga estrada de pedras foi preservado no trecho em frente ao Padrão do Lorena

Fechada para os carros desde 1985, a estrada foi aberta para um projeto de ecoturismo com passeios a pé ou de “jardineira” que passam por um trecho da Calçada do Lorena e pelos monumentos históricos construídos em 1922, em comemoração ao centenário da Independência.

Há alguns anos, nós fizemos esse passeio e registramos imagens de alguns dos monumentos, como o Padrão do Lorena, o Pouso Paranapiacaba e o Rancho da Maioridade.

blog 3

blog 2O Padrão do Lorena foi construído em homenagem a Bernardo José Maria de Lorena, governador-geral da extinta Capitania de São Paulo.  O memorial tem painéis de azulejaria que mostram cenas do século XVIII, como tropeiros e mulas carregando mercadorias.

_MG_5428O Pouso Paranapiacaba, com seus azulejos retratando o mapa do Estado de São Paulo e suas estradas existentes na década de 1920, era um antigo ponto de parada de veículos na viagem entre Santos e São Paulo.  Paranapiacaba, em tupi, quer dizer “local de onde se vê o mar”.

blog5

blog6Rancho da Maioridade: seu nome é alusivo a Estrada da Maioridade, construída entre 1841 e 1846. Um painel de azulejos ilustra a subida da Serra por figuras políticas ilustres do século XIX.

Como a gente gosta de voar, também fizemos o passeio de helicóptero, para gravar a exuberância da Mata Atlântica que envolve a Estrada Velha de Santos.

Com estas imagens, esperamos haja uma maior conscientização da grandeza do patrimônio histórico e cultural de nosso país para que ele possa ser devidamente preservado e permanecer ao alcance de todos

Abraços

Cristina Sara + Sergio Furtado